Você é um adorador?

“… apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Romanos 12:1).

Uma das grandes dificuldades que temos quanto à adoração deve-se ao fato de constantemente dependermos de fatores tão diversificados para nos alegrar.
Se o tempo não está bom, reagimos negativamente e já deixamos a nossa adoração em segundo plano.
Se nossa conta bancária não vai bem, não adoramos a Deus da maneira como deveríamos.
Se os nossos relacionamentos pessoais e/ou familiares não vão bem, nossa adoração a Deus não vai bem.
Nós temos condicionado nossa adoração a várias circunstâncias que podem estar positivas ou negativas.
Precisamos entender, em caráter de urgência, que Deus é a fonte de nossa alegria e o objetivo da nossa adoração.
Tudo vem Dele e para Ele retornamos em tributo, adoração e louvor.
O adorador não é aquele que vai a uma determinada reunião da sua igreja para receber o que o dirigente de música ou o solista, ou quem quer que seja, tenha para lhe oferecer.
Não!
O adorador é alguém que tem um compromisso com Deus, que está ali porque quer oferecer algo a Deus, ele quer oferecer um sacrifício vivo, seja o seu próprio corpo em adoração a Deus, sejam as suas ações, as suas atitudes, os seus recursos financeiros.