Verdade é vida

“Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10).

Paulo está respondendo aos seus oponentes, dizendo que a mensagem da graça não tinha o objetivo de agradar aos homens, mas de agradar a Deus; porque na mensagem da graça, Deus recebe todos os méritos, todos os louvores.
Então, primeiro, Paulo apresenta o fato de que ele quer agradar a Deus vivendo em harmonia com o evangelho autêntico,
com a fé autêntica, com a fé que não mata, a fé que é produto da graça e da ação de Deus.
Esta sua veracidade, a sua autenticidade se desdobra através de suas palavras, não há dissimulação, não há fingimento, ele condena aquilo que não é verdadeiro e ele exalta aquilo que está em harmonia com a revelação de Deus.
E Paulo explica que não apenas as suas palavras, mas também as suas ações estão em harmonia com a verdade de Deus.
Ele o diz: trago no corpo as marcas de Cristo.
Paulo sofreu e sofreu bastante por causa do evangelho e o que podemos aprender com isso é que mesmo quando temos que sofrer perdas por causa da verdade, a verdade sempre vale a pena, porque a fé autêntica comunica a vida, mas a fé que é uma falácia nos leva à morte.