Medíocre! Como você se sentiria se fosse chamado assim? Imagino que se sentiria ofendido, pelo menos eu me sentiria. É curioso que originalmente mediocridade não tinha conotação ofensiva, era apenas uma designação latina para algo comum, mediano, ordinário, algo que não é bom o suficiente. Porque hoje nos ofende? Penso que uma das razões deve ser o fato de que não há lugar para mediocridade no Evangelho de Jesus. Afinal de contas, nada encontramos de medíocre em Jesus ou no seu nascimento.

Em Lucas 1:35 Lemos da pena inspirada do Evangelista:

“E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.”

Note que a palavra “santo” aparece duas vezes neste versículo, primeiro para descrever o atributo do Espírito, O Espírito é Santo e gera uma criança que é em natureza exatamente como Ele, Santo!

Na filosofia da teologia, “santo” descreve a transcendência de Deus, isto é Deus é tão outro, tão maior e separado de sua criação e particularmente separado dos pecadores.

Santo é um título atribuído ao próprio Deus, veja:Quem entre os deuses é semelhante a ti, Senhor? Quem é semelhante a ti? Majestoso em santidade, terrível em feitos gloriosos, autor de maravilhas?
Êxodo 15:11
A santidade de Deus no Antigo Testamento era temida pelo povo de Israel, por essa razão, existiam leis que funcionavam como norma de segurança para entrar na presença de Deus. Os sacerdotes usavam roupas especiais para que pudessem se aproximar de Deus. Mas, como sabemos da história, algumas vezes essas “regras” eram violada e tragédias aconteciam. Dois exemplos:

50.070 homens morreram porque olharam dentro da arca de Deus! (1 Samuel 6)

Uzá foi fulminado por segurar a arca de Deus sem seguir, por assim dizer as normas de segurança. (2 Samuel 6)
Assim, a santidade de Deus era temida! Olhar para a arca, que nada mais era que uma caixa em elaborada e decorada com anjos querubins e dentro continha as tábuas da lei, o cajado de Arão, e amostras do maná. No entanto, essa caixa representava a própria presença de Deus!

Até mesmo profetas temiam a santidade de Deus, você se lembra de Isaías no templo? (Isaías 6)

Ele temeu por sua vida ao ver o Senhor sobre um trono cercado por anjos que clamavam: “Santo, santo, santo (…)”

Pois bem, o natal é mensagem inversa, ao invés dos homens vestirem com roupas especiais para poderem acessar a “caixa” que representava a presença de Deus, é Ele que vai se despir de sua glória e se vestir de humanidade. Deus se veste de tendões, nervos, músculos, carne e se faz homem, ou melhor se faz um bêbe e é colocado em uma “caixa” (manjedoura).

Mas, agora o Deus Santo não se mostra ameaçador, mas acessível, tão acessível como uma criança.

Por que? Porque Ele ama você, deseja se relacionar com você e Ele transformará você. O Natal é a mensagem de que a graça de Deus se manifestou entre nós na santidade de Seu filho Jesus.

Como diz o antigo hino:

“Povos ajoelhai, ouvi a voz dos anjos

Ó noite Divina, em Belém, Jesus nasceu

Ó noite, ó noite Santa em que, Jesus nasceu”

Santo é o oposto de medíocre, nada há de medíocre em Jesus, em seu nascimento e nada de medíocre deveríamos encontrar em seus seguidores. Feliz Natal, sem lugar para mediocridade!

Leandro Tarrataca