Gratidão x Ingratidão – 2

“Ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos” (Lucas 17:12).

No caminho algo extraordinário aconteceu: “Aconteceu que, indo eles, foram purificados” (Lucas 17:14b).
Não sabemos exatamente como isso aconteceu.
Talvez, enquanto caminhavam, olharam uns para os outros, e viram que seus rostos já não tinham mais feridas, suas mãos estavam recuperadas, e, a alegria tomou conta de seus corações.
Um costume judaico que precedia os dias de Jesus determinava que, quando alguém recebia um milagre, deveria voltar ao local do milagre e glorificar a Deus.
A exclamação era algo como: “Bendito seja aquele que realizou um milagre neste lugar!”.
Só então seguiria seu caminho.
Por essa razão, a única ação que se poderia esperar dos dez leprosos era que retornassem para glorificar a Deus.
Mas, o texto diz que apenas um retornou…
Só um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glórias a Deus, e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe.
E, ele era samaritano.
Para sermos gratos devemos nos vigiar.
Muitas vezes, nós estamos unidos a Deus pela tragédia, esperando uma bênção, mas quando a recebemos, nos afastamos de Deus pela ingratidão.
O samaritano voltou e recebeu a salvação para a sua vida.
Voltar para agradecer a Deus nunca é perda de tempo. É sempre melhor voltar…