Fruto do perdão

“Se for possível, quanto esti ver em vós, tende paz com todos os homens” (Romanos 12:18).

Pastor John Claypon disse que, “os nossos esforços para consertar aquilo que estragamos e efetuar o nosso próprio crescimento, não são coisas que fazemos a fim de merecer o perdão, mas sim, algo que fazemos pelo fato de termos sido perdoados, são as consequências, não as condições da redenção”.
Há uma grande diferença entre os frutos do perdão e as nossas fúteis tentativas de autoexpiação.
Se você recebeu o perdão de Deus, você também deve oferecer o perdão de Deus.
É exatamente o que eu e você devemos fazer, porque, não poucas vezes, mesmos cristãos são tomados por acesso de raiva, de ira, de amargura, de cólera e revidam na mesma moeda.
Quando fazemos isso, nós estamos ferindo primeiramente a nós mesmos.
Em Romanos 12:19, lemos que devemos confiar em Deus, para que Ele tome a vingança em Suas mãos, porque Ele é justo, Deus não é leniente, nem severo demais, Deus é justo.
Portanto nós devemos confiar na ação de Deus e na Sua disciplina.
Por outro lado, nós devemos ter uma atitude prática: “Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a tua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Romanos 12:20, 21).