Pai do céu

“Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial” (Mateus 5:48).

Dr. Nando Pelusi conta sua experiência com seu pai:
“Eu sempre suspeitei que meu pai vivia no limite comigo. Meu pai foi um homem brilhante um comediante bem humorado, mas quando estava a minha volta se tornava irascível e intolerante. Ele imigrou da Itália aos 31 anos de idade e lutou com um Inglês rudimentar e muita coragem. Eu cheguei oito meses depois. Depois de adulto confrontei meu pai com o tratamento que me oferecia e seus sentimentos sobre mim. Ele admitiu que pensava que suas novas oportunidades eram esmagadas por ter que abrir mão de sonhos pela paternidade. Duro? Certamente. Mas honesto também”.
Nesse mundo caído, nossos relacionamentos sofrem com interpretações equivocadas, egoísmo, indiferença e simples erros próprios de nossa humanidade.
Mas, quando pensamos em nosso Pai celestial podemos ter total certeza que Ele nos recebe alegremente com a satisfação da paternidade.
Eu e você com todas nossas limitações podemos ter certeza de que temos um Pai Celestial que se alegra em nos receber, nos atender e zelar por nós.
Que a consciência de nossa total aceitação nos leve a oferecer aos outros a mão estendida de quem tem um pai generoso.

Apetite celestial

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos” (Mateus 5:6).

Alguém disse acertadamente que é preciso um apetite celestial para apreciar alimento celestial.
Essa realidade é ilustrada pela peregrinação do povo de Israel.
Deus os livrou após quatrocentos e tantos anos de escravidão onde viviam isolados num gueto chamado Gosen.
Deus os livrou das dores nas costas causadas pelos açoites egípcios.
Abriu diante deles o Mar Vermelho para que pudessem escapar das mãos dos seus inimigos.
Durante a noite Deus lhes dava um pilar incandescente que os aquecia, iluminava e guiava.
Durante o dia uma nuvem que os protegia do sol.
Até da rocha Deus lhes deu água, mas tudo o que faziam era reclamar de sua sorte.
A história nos diz que até mesmo o pão do céu conhecido como “maná” eles rejeitaram.
Rejeitavam a provisão celestial, pois não tinham apetite celestial.
Jesus prometeu que quem tem “fome e sede” de justiça seria saciado.
Talvez, nossas maiores angústias devam-se ao fato de estarmos famintos por outros alimentos, talvez nossa frustração deva-se ao fato de que não apreciemos tudo o que Deus nos tem oferecido em Cristo Jesus.
Que possamos apreciar a paz interior, alegria do Espírito, a bondade.
Que Deus nos dê apetite celestial para as coisas celestiais.

Mais amor…

“… porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Romanos 5:5).

Tive a alegria de ter como meu professor o renomado guru da administração eclesiástica Kenneth O. Gangel – professor de administração.
Ele conta em um de seus livros sobre coaching de equipes que em certa ocasião quando entrevistava o reitor de uma universidade no Kansas soube que, quando adolescente, o reitor participara de uma igreja.
Kenneth O. Gangel perguntou o que ele se lembrava da igreja e, de todas as coisas que poderia ter dito, apenas disse: “Que reclamavam e brigavam uns com os outros”.
Não é triste que essa fosse a principal lembrança daquele homem?
Paulo adverte a igreja de Filipos ao dizer que “tudo deveria ser feito sem murmuração e contendas”.
Jesus disse que nossa maior marca deveria ser o amor fraternal e não nossa capacidade de “guerrear uns com os outros”.
A Bíblia diz na carta de Paulo aos Romanos que o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito de Deus.
Assim, que possamos buscar a resposta certa em nossos relacionamentos no lado do coração em que podemos oferecer mais gentileza, amor e graça.
Esse foi o caminho do Mestre e é o caminho que devemos trilhar.

 

Ele é suficiente

“Então Jesus lhes declarou: Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim jamais terá sede” (João 6:35).

No Antigo Testamento, Deus se apresenta a Moisés como sendo o Eu Sou, o Eterno, Aquele que Era, que É e sempre Será.
Deus acima de todas as coisas.
Jesus emprega as mesmas expressões para Si.
Ele também se denomina como ‘Eu Sou. O Eterno’.
Jesus é Quem sustenta a nossa fome espiritual.
Não há outro que possa suprir a necessidade espiritual da vida humana a não ser Jesus.
Ele nos afirma: “Eu Sou o Pão da vida”, ou seja, Ele é Aquele que sacia eternamente a vida espiritual dos homens.
Jesus continua sendo as respostas de nossas inquisições espirituais.
Jesus é Aquele que pode encher o vazio de nossos corações.
Em João 8:12, Jesus diz: “Eu Sou a Luz do mundo. Quem Me segue não andará nas trevas, pelo contrário, terá a luz da vida”.
Jesus é a Luz do mundo.
Ele é Aquele que dissipa as trevas de nossas vidas.
Quando Sidarta Gautama, o Buda, estava para morrer, ele confidenciou a um de seus discípulos: “Eu morro à procura da luz”.
Quando Jesus surgiu no cenário da história humana, Ele não disse que estava procurando a luz.
Ele disse: “Eu Sou a Luz do mundo”.
Ele é Aquele que pode arrancar de nossas vidas a mais densa escuridão.
Ele pode arrancar de nossas vidas aquilo que, de fato, tem nos privado de desfrutar da Presença Divina.
Jesus é a Vida, e é o Caminho a Deus.

Bom propósito de Deus

“E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28).

Meu pai costumava me dizer que não era a embalagem que realmente importava, mas o conteúdo!
Lembro-me que certa fez ganhei um caminhãozinho tanque, mas que veio numa embalagem de papel de pão.
Muitas histórias bíblicas parecem realmente apontar nessa direção, por exemplo as experiências de José: Vendido como escravo: rejeição familiar; falsamente acusado pela mulher de Potifar: destruição da reputação; anonimato: esquecido num calabouço.
No entanto, sabemos que Deus usou tudo isso para que ele ascendesse ao topo do Poder Egípcio e ainda salvasse sua família de uma terrível crise de fome.
As bênçãos de Deus muitas vezes vem dentro de embalagens amarrotadas chamadas de “provações, tribulações ou testes”.
Por isso, não desista quando enfrentar um deles.
Para cada problema humano…
Existe uma solução e um bom propósito divino.

O lamento da injustiça

“Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim?…” (Salmo 42:11).

Você se sentiu incomodado, perturbado pela injustiça?
Indignado por ver a arrogância dos ímpios sobre os pobres?
Revoltado quando os ímpios prosperam e os justos continuam sofrendo?
Sim, o lamento da Injustiça pode angustiar a nossa alma assim como angustiou a alma do salmista no Salmo de lamento: “Por que estás ao longe, Senhor? Por que te escondes nos tempos de angústia?” (10:1).
Mas Deus conhece a nossa alma e nos acalma dizendo no Salmo 35 versículo 3 “Tira da lança e obstrui o caminho aos que me perseguem; dize à minha alma: Eu sou a tua salvação”.
Eu sou a tua salvação!
Esses são os Salmos imprecatórios.
E o salmista está dizendo, inspirado por Deus, que não devemos nos perturbar ou angustiar por causa dos malfeitores, porque Ele luta a nossa batalha, Ele é a nossa salvação.
João 16:33 diz: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
Ainda que hoje você esteja vivendo aflições, perseguições, injustiças tenha bom ânimo, porque Ele venceu o mundo.
Jesus é a tua salvação!
“Tens ouvido, Senhor, o desejo dos humildes; tu lhes fortalecerá o coração e lhes acudirás” (Salmo 10:17).

 

Padrão

“A lei da verdade esteve na sua boca, e a iniquidade não se achou nos seus lábios. Andou comigo em paz e em retidão, e apartou a muitos da iniquidade” (Malaquias 2:6).

Em Malaquias 2 versículos 5-9, encontramos o padrão de um sacerdote.
No versículo 4, o Senhor diz: “Então sabereis que eu vos enviei este mandamento, para que a minha aliança seja com Levi…”.
Para ser um sacerdote de Israel era necessário ser nascido da tribo de Levi.
Os descendentes de Levi formavam a casta sacerdotal de Israel.
Essa aliança foi um presente especial de Deus.
O ensino de Levi era autêntico, verdadeiro.
“A lei da verdade esteve na sua boca” (Malaquias 2:6a).
A sua vida era real.
Ele era relevante.
A sua conduta era reta.
Como consequência de sua maneira de viver a palavra de Deus, ele afastou muitos do pecado.
Isto é o que eu chamo de poder do exemplo.
Nada é mais poderoso do que isto.
Ele não apenas falava de Deus, mas ele temia a Deus.
O sacerdote tinha a função de ensinar a Lei de Deus.
Como professores da palavra de Deus, deveriam ser mensageiros.
Mas eles não estavam oferecendo a verdadeira instrução ao povo.
Então receberam a exortação do profeta Malaquias, cujo nome significa ‘meu mensageiro’.
Uma ironia: aqueles que deveriam ser os portadores da mensagem de Deus estavam sendo exortados, pois haviam esquecido a própria palavra de Deus.
Deus nos tem chamado para nos tornarmos Seus mensageiros.
Não apenas com palavras, mas de fato e de verdade.

Percepção

“A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz…” (Mateus 6:22).

Se você pudesse ganhar uma medalha olímpica qual você preferiria entre as duas opções: prata ou bronze?
Um estudo com atletas ganhadores de medalhas olímpicas mostrou um resultado inesperado.
A maioria das pessoas pensava que os ganhadores de medalhas de prata seriam mais felizes, mas o resultado mostrou o contrário.
Embora a medalha de prata seja uma honra maior, os medalhistas de bronze se sentem mais felizes segundo os estudos.
A explicação é que aqueles que chegam em terceiro lugar sentem-se felizes por terem ganhado uma medalha, mas os ganhadores da prata sentem-se como perdedores, pois por pouco não conquistaram o primeiro lugar.
Esse estudo confirma o que a Bíblia nos ensina.
O que nos acontece não é tão importante quanto a nossa percepção sobre os eventos que nos acontecem.
Não é de admirar que Jesus tenha descrito a percepção dos homens como “olhos bons” e “olhos maus”.
Logo, não é o que nos acontece, mas como vemos os acontecimentos.
Meu desejo é que possamos ver a vida pelas lentes da eternidade, pois isso faz toda a diferença.

Atitude diante dos testes

“Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações,sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança; e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma” (Tiago 1:2-4).

Tiago nos desafia a termos uma atitude correta diante do teste: “Tende por motivo de toda alegria”.
Ter motivo de toda alegria não significa falsear felicidade enquanto se enfrenta uma provação, mas ter a perspectiva correta sobre a experiência de ser “provado/testado”.
Com frequência ouço de jovens de nossa comunidade que estão procurando uma colocação: “Estou tão feliz! Fui selecionado para um teste!”.
Se um ator ou músico é selecionado para um teste ele se sente triste ou feliz?
Ou o que dizer dos adolescentes que após terminarem o ensino médio estão prontos para um “teste” para entrar na faculdade?
Certamente feliz, pois ser selecionado para um teste já é, em si, uma honra.
No livro de Atos os discípulos estavam felizes por sofrer perseguições físicas e emocionais pelo nome de Jesus (Atos 5:40-42).
Claro, não é o teste em si que nos dá a alegria, mas o fato de saber que somos testados para sermos aprovados sabendo que esse teste produzirá perseverança.
Assim, minha oração é que não desmaiemos diante das tribulações sabendo que, ao suportarmos, veremos a perseverança ser produzida.

Sê forte

“Esforça-te, e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria” (Josué 1:6).

No capítulo 3 de Josué, Deus disse o que o povo devia fazer, mas não como fazer.
Só alcançamos as promessas de Deus se não ficarmos parados.
Nós estamos cercados de desencorajadores, pessimistas.
São profissionais em nos desanimar.
E, é por isso que precisamos incansavelmente estar em contato com a Bíblia, onde Deus constantemente diz: ‘Sê forte’.
“Resisti ao diabo e ele fugirá de vós”, resista aos desanimadores, aos desencorajadores.
Seja forte e corajoso contra eles.
Coragem de acreditar, coragem de confiar em Deus, coragem de seguir os estatutos de Deus, de seguir a Sua Palavra, ainda que isso seja para nadar na direção contrária a este mundo.
E para isso é preciso meditar na palavra de Deus dia e noite.
Em Josué 3:9-16, nós temos uma das passagens mais lindas do Antigo Testamento: O povo precisava atravessar o Rio Jordão.
Não havia ponte.
Quando os sacerdotes que carregavam a Arca da Aliança colocaram os pés na beira da água, o Jordão estava cheio.
Eles deram o primeiro passo, o segundo passo, ficaram com a água nas canelas, e, nada.
Até que todos molharam seus pés, e as águas pararam para que o povo atravessasse aquele rio.
Deus não quer que você faça o impossível porque Ele é quem vai fazer o impossível por você.
Mas, para alcançar Suas promessas, você precisa ser forte, corajoso e acreditar!
Não sei qual é o seu Jordão, mas seja forte e corajoso.
Dê seu passo de fé!