Para quem será?

“Melhor é ir à casa onde há luto do que ir a casa onde há banquete; porque naquela se vê o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração” (Eclesiastes 7:2).

Não sei quantos conhecem uma brincadeira chamada “Balança caixão” que era basicamente uma brincadeira de esconde-esconde.
Era feita à noite e um tanto assustadora pelo nome…
Eu me divertia muito brincando, mas quando finalmente era hora de dormir o “nome da brincadeira” ficava me perturbando.
Verdade, eu realmente tinha muito medo de escuro, eu até acordava meu irmão mais novo.
Mas, convenhamos, nenhum de nós gosta da ideia de pensar em morte, sepultamento, cemitério, etc…
Se você recebesse um convite para ir a uma festa ou um velório, qual deles você preferiria?
A verdade é que no cemitério há dor, angústia e a sensação de que algo está errado neste mundo…
E de fato está!
O pecado maculou tudo e todos!
E se existe um lugar que parece sufocar a esperança, basta olhar para uma sepultura.
Lá não há qualquer entorpecimento de falsa alegria…
Mas lá, estamos muito mais propensos a aprendermos sobre nós e sobre Deus.
Lá percebemos o quanto somos finitos e Deus infinito.
Lá temos a oportunidade de refletir sobre nossa vida e nosso futuro.
Onde passaremos a eternidade?

De que lado estamos?

“Jesus ouviu que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: Crês tu no Filho de Deus? Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que nele creia? E Jesus lhe disse: Tu já o tens visto, e é aquele que fala contigo. Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou” (João 9:35-38).

É maravilhoso ver Jesus estendendo a mão para este homem, Jesus restaurando-lhe a vida, Jesus fazendo com que ele possa ter acesso livre à sua presença e adorá-lo
genuinamente.
Quando olhamos para esta passagem, encontramos o contraste que ilustra a situação de toda humanidade.
A grande divisão da humanidade não é apenas entre ricos e pobres, entre acadêmicos e leigos, entre pessoas cultas e não-cultas.
A grande divisão da humanidade é entre aqueles que creem no evangelho e aqueles que não creem no evangelho.
A grande divisão da humanidade está entre aqueles que adoram a Deus e entre aqueles que não O adoram.
A grande pergunta para todos nós é de que lado estamos.
Estamos nós simplesmente enfileirados com os fariseus que entendiam muito de religião, de sistematização, de teorias, mas não entendiam nada de Deus, não sabiam o que era relacionar-se com Deus?
Ou estamos nós com este homem que, olhando para Cristo, disse: Creio, Senhor.
E o adorou?
Eu desafio a você que, no dia de hoje, também adore a Jesus.

Por amor

“Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários” (2 Coríntios 8:3).

A palavra chave aqui é ‘voluntários’.
Eles querem contribuir, eles estão fazendo isto porque estão praticando algo que sai do seu amor, deste relacionamento que eles têm com Deus.
Eles querem fazer parte porque confiam em Deus, eles querem contribuir porque esse é o desejo do seu coração.
Este é um ponto muito importante, e eu gostaria que isso ficasse muito claro para você, porque eu não acredito que qualquer pessoa possa participar da construção
dos projetos de Deus, manipulada ou emocionalmente opressa para que faça isso.
Eu realmente considero uma perda de tempo insistir, implorar para que as pessoas participem da obra de Deus doando do seu tempo, da sua vida, dos seus talentos.
Isso deve ser um ato voluntário, porque as pessoas fazem isto à medida que entendem a graça de Deus.
Portanto, a atitude que você deve ter no que diz respeito à generosidade, à doação de seus recursos, deve ser resultado da sua confiança em Deus.
Este é o ponto importante, você precisa pensar: “o que Deus espera de mim? Quanto eu tenho recebido de Deus?”.
Então, pela fé, você vai caminhar na construção do projeto de Deus, você vai dizer: “deixe-me fazer parte da construção deste reino”.

Consolo em meio às tribulações

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; que nos consola em toda a nossa tribulação” (2 Coríntios 1:3a; 4a).

Em 2 Coríntios, capítulo 1, Paulo agradece a Deus pelo consolo recebido, em meio às tribulações pelas quais está passando.
Paulo passou por muitas tribulações na Ásia, a ponto de se desesperar.
As dificuldades pelas quais passou, aconteceram para prepará-lo para ministrar aos necessitados.
Todo o sofrimento que enfrentou lhe ensinou a confiar mais em Deus.
Às vezes nós também sofremos, passamos por grandes tribulações, que são consequências dos erros que cometemos.
Outras vezes, como aconteceu com Paulo, sofremos para aprender a confiar mais em Deus.
Paulo foi escolhido para levar a verdade do Evangelho aos gentios, pelas qualidades que possuía.
A nossa missão é pregar o Evangelho a toda criatura.
Para sermos escolhidos devemos ter as qualidades de Paulo: amar a Deus; levar uma vida de oração; aceitar todas as vicissitudes com alegria, tranquilidade, confiança inabalável em Deus.
Para servir ao Senhor temos de imitar o exemplo de Paulo.
Temos que exercitar sempre a fé, a esperança, o amor e termos pela glória de Deus, o mesmo zelo ardente que Paulo tinha.
Tenhamos sempre em mente que nossa missão é pregar sempre, e, se necessário, usarmos as palavras.

Servos de Deus

“… e libertos do pecado, fostes feitos servos da justiça” (Romanos 6:18).

Gosto da frase que diz que o ‘cristão é livre do pecado e não livre para pecar’.
A santificação nos dá poder para pensar com mais clareza, nos dá o querer para amar a Deus, para glorificar a Deus e agir em harmonia com a vontade de Deus.
A mim me chama muita atenção que em 1 Pedro 2, encontramos com muita clareza o v.15 com respeito à vontade de Deus.
Muitas vezes as pessoas me perguntam: “qual será a vontade de Deus para a minha vida?”.
Porém muitas vezes a vontade de Deus está ali, nua e crua, a vontade de Deus está explícita diante dos nossos olhos e não queremos abraçá-la.
Observe o v. 15: “Porque assim é a vontade de Deus, que, pela prática do bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos”.
O texto é muito claro, devemos ter um estilo de vida tal que faça emudecer a ignorância dos insensatos.
Pedro está dizendo que esta é a vontade de Deus.
O contexto aqui (vv. 13-17) nos diz que o crente deve ser um cidadão obediente à lei, não podemos nos tornar infratores da lei em nome de Cristo ou da nossa fé.
Mas se a lei de determinado governo viola a vontade
revelada de Deus, é óbvio que estamos desobrigados disso. A lei de Deus é superior a todas as
leis e, ao cumpri-las, seremos cidadãos exemplares.

Considere sua vida cristã

“Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus” (1 Coríntios 2:5).

Em todas as áreas da nossa vida chega um dia em que precisamos considerar.
Precisamos
considerar nossa carreira: será que estou alcançando meus objetivos?
Existe algo que eu possa fazer para melhorar?
É preciso pensar com cuidado em nossa vida familiar: estou desempenhando bem o meu papel na família?
E também é preciso considerar nossa vida cristã.
O texto de 1 Coríntios 2 e 3 faz uma divisão entre o homem natural, carnal e o homem espiritual.
A primeira coisa que devemos considerar é se somos carnais ou se somos verdadeiramente espirituais.
Talvez essa pergunta não tenha muita lógica para você, mas acredite, todos nós deveríamos considerar isso ao menos uma vez em nossa vida cristã.
Infelizmente temos muitos motivos não espirituais que podem nos levar até a igreja no domingo: a simples necessidade de pertencer a um grupo; amenizar sua consciência espiritual (tradição, família, passado); simpatizar-se com o Cristianismo; porque seus pais querem; amigos, etc…
É por isso que é tão importante considerar, porque você pode passar a vida inteira indo à igreja pela razão errada, e, apesar de você receber excelentes princípios para viver, você não vai entender a essência do evangelho.
Considere e não viva a religião, viva Cristo!

Dia a Dia

“Antecipo o alvorecer do dia e clamo na tua palavra, espero confiante, os meus olhos antecipam às vigílias noturnas, para que eu medite nas tuas palavras” (Salmo 119:147, 148).

Se investirmos mais tempo na Palavra de Deus, se bebermos mais dessa fonte de sabedoria, se saturarmos nossos corações com a verdade divina isso fará uma revolução em nossas vidas.
Sacrificar-se um pouco, e não estou me referindo de horas e horas a fio, estou falando apenas de poucos minutos antes de adormecer e levantar-se um pouco antes pela manhã para meditar na Palavra de Deus.
Esse pequeno sacrifício não é uma perda, é uma oportunidade de ganhar crescimento e um investimento espiritual para a sua vida.
Devemos começar cada dia com os olhos fixos na palavra de Deus, deveríamos terminar o dia não com o último programa de televisão, mas deveríamos terminar o nosso dia com a mensagem de Deus para os nossos corações.
Isso faria uma revolução na maneira como vivemos, no nosso trabalho, nossas famílias e em nossas igrejas.
A palavra de Deus continua contendo bênçãos incomparáveis que poderão guiar você durante todo o seu dia lhe trazendo respostas, mas você precisa criar oportunidades, momentos para que você possa abrir este livro, abrir o seu coração e deixar que a mensagem divina o guie durante todo o dia.

Lamentação

“E prantearam, e choraram, e jejuaram até à tarde por Saul,…” (2 Samuel 1:12).

Setenta por cento dos Salmos, e, muitos deles escritos por Davi, são salmos de lamentação.
O profeta Jeremias escreveu um livro a respeito de lamentações, alguns comentários, algumas considerações.
A palavra ‘lamentação’ vem do latim lamentum, e significa exatamente chorar, deplorar, carpir.
Estas palavras, no hebraico, indicam senso interior de tristeza, de lamentação e até expressões físicas como ‘bater no peito’, ‘rasgar’, ‘cortar’, significam expressões exteriores de impressões interiores.
Ao todo, há aproximadamente 15 palavras na Bíblia que indicam o ato de lamentar, cada qual com sua nuance própria de significado.
O que podemos entender é que o lamento é uma expressão universal entre pagãos e não pagãos.
Lamentar-se, clamar em voz alta. Às vezes isto está conectado a situações em que as pessoas se sentem profundamente desamparadas.
O que acontece é que quando lamentamos, quando expressamos a tristeza por uma perda, estamos reconhecendo nossa lamentação, e, quando fazemos isso, buscamos em Deus a reconstrução de nossas vidas.
Eu não sei o que você perdeu.
Lamente, chore, use expressões exteriores se você quiser, mas, uma vez que você tenha feito todo o lamento, confie em Deus e vá adiante!

Viver para servir

“Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor” (2 Coríntios 10:17).

Muitos cristãos ainda não entenderam o ensinamento do versículo acima.
Pessoas que se dizem cristãs costumam se autopromover procuram se glorificar e se exaltar.
São feitos cultos especiais para honrar homens.
Em algumas igrejas pessoas que possuem bens materiais ou uma posição social privilegiada, costumam receber honrarias.
Líderes políticos são convidados especiais em alguns cultos.
É muito triste observar a falta de humildade em alguns líderes espirituais, que deveriam dar o exemplo de humildade, o exemplo que Paulo tanto pregou.
É triste.
As pessoas estão esquecendo as qualidades essenciais que o Senhor espera de nós: caráter, atitude, conduta.
Frequentemente nos esquecemos do exemplo de Jesus que se fez pobre para nos tornar ricos.
Paulo se negou em tudo para ser um bom exemplo de discípulo de Cristo.
Ele sofreu, aceitou tudo com resignação e confiou plenamente no Poder de Deus, certo da importância da
santificação na vida dos cristãos que buscam a salvação.
O Senhor espera de nós que O sirvamos com alegria e amor.
Devemos viver para servir o nosso Pai, assim como Paulo o fez.
Precisamos muito de homens como Paulo, homens espirituais, sábios, que reflitam através de suas vidas o verdadeiro evangelho de Cristo!

 

Prioridades

“Porventura é para vós tempo de habitardes nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica deserta?” (Ageu 1:4).

Será que as desculpas que damos a Deus não são porque estamos apenas preocupados com as nossas coisas?
A nação de Israel havia ficado 70 anos cativa na Babilônia e teve a sua cidade e o Templo de Deus destruídos.
Depois de 70 anos, Deus levanta Ciro, o Grande, para que ele libere o povo de Deus para voltar para Jerusalém e reconstruir os muros da cidade e o Templo.
Durante a época de Ageu, esse mesmo povo havia parado de construir a casa de Deus por 16 anos e passaram a se preocupar apenas com as suas próprias casas, fazendo para si casas confortáveis.
Mateus 6:33 diz que precisamos buscar o reino de Deus em primeiro lugar!
Será que estamos buscando o reino de Deus em primeiro lugar?
Ou estamos dando desculpas em relação às coisas de Deus porque estamos muito preocupados com as nossas coisas?
Não estamos nós também apenas preocupados com as nossas casas?
Nossos interesses?
Nossas vidas?
Gastamos uma fortuna para decorar ou deixar nossas casas mais confortáveis e muitas vezes não temos a capacidade de recolher um papel do chão do lugar onde a igreja se reúne.
Considere, onde estão suas prioridades?
Buscai primeiro o reino de Deus e as outras coisas vos serão acrescentadas.