Servir a Deus

“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por Ele instituídas… Aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação” (Romanos 13:1, 2).

Na passagem de Atos 4:18-21 as autoridades queriam proibir os apóstolos de anunciarem a Jesus, e este é um momento em que os apóstolos claramente estabelecem: se tivermos de fazer uma opção de obedecer a Deus ou obedecer às autoridades estabelecidas pelos homens – nós preferimos obedecer a Deus.
Mas estas são situações raras, eu diria, por exemplo, em países comunistas muitos irmãos tiveram de fazer isto, apesar de toda a proibição, a igreja se reunia em túneis nas chamadas: “igrejas subterrâneas”.
Mas é inadmissível um cristão ser funcionário rebelde e desobedecer as autoridades estabelecidas.
Portanto, é preciso ter um equilíbrio entre estas duas coisas, Deus nos chama para a obediência, para a submissão, para o serviço.
Servimos os homens e, ao mesmo tempo, servimos a Deus.
Mas quando os homens tentam transformar a autoridade a eles conferida em autoritarismo e tentam nos tirar o direito de estudar a palavra de Deus, de ensinarmos a Palavra de Deus, esta seria a única exceção para não obedecermos as autoridades estabelecidas.

Amor que crê em Deus

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração…” (Lucas 10:27).

A palavra ‘coração’ nos é apresentada em diversos contextos da palavra de Deus.
Ele é apresentado como o lugar onde cremos, em Romanos 10:10 a palavra de Deus diz assim: “Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação”.
Assim, amar a Deus de todo coração significa que o meu amor é um amor que crê em Deus, que crê em Suas palavras não importando as circunstâncias.
Quando assim agimos, Deus recebe uma expressão de amor de todo coração.
É no coração que a Bíblia nos diz que existe a sede do crer, portanto, amar a Deus de todo coração é crer em Deus, confiar nas palavras d’Ele.
Segundo, o coração é o lugar onde nascem os nossos desejos, o lugar onde ardentemente eu busco algo.
Isto é muito comum no texto dos salmistas: “Uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida… Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a tua presença” (Salmo 27:4, 8).
O texto começa com prioridade, porque diz o v. 4: “Uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei…”.
A prioridade do salmista não era casa, não era conta bancária, não era dinheiro ou carreira, mas a prioridade era a própria presença de Deus.
Qual é a prioridade da sua vida?
O que deseja o seu coração?

Supremacia de Cristo

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” (Colossenses 2:8).

Na carta do apóstolo Paulo aos colossenses existem verdades fundamentais sobre Jesus que não podemos ignorar.
Partindo dos argumentos de Paulo, podemos perceber algumas características de heresias, ou seja, alguns ensinamentos contrários, que estavam sendo infiltrados naquela igreja.
Eles misturavam o legalismo judeu, especulações filosóficas gregas e o misticismo do oriente.
Alguns pontos incluíam a observância do sábado, questões alimentares e o ritual da circuncisão.
Também estavam adorando anjos, e tinham a ideia de que o corpo era intrinsecamente mau.
Então Paulo começou a combater essas heresias, e passou a enfatizar o significado de Cristo como Senhor da criação, como Cabeça da igreja.
Portanto qualquer ensino que diminuísse a singularidade, a centralidade de Jesus Cristo, seria contrário à fé cristã.
Vemos então que no desenvolvimento dessa carta, o apóstolo Paulo trata de um tema muito importante, que é a supremacia e a plena suficiência de Cristo.
Eu quero convidar você a aceitar a supremacia de Jesus, render-se a Ele.
Deixe que a plenitude de Jesus invada a sua vida.

Auto avaliação

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama… seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Filipenses 4:8).

Num conflito devemos nos perguntar se somos críticos em excesso, porque, quando somos críticos demais, nada está bom! Não importa o quanto os filhos, a esposa se esforcem, sempre encontraremos uma razão para criticar.
Talvez você esteja fazendo a crítica agora mesmo enquanto lê esta mensagem.
Avalie.
Será que estamos sendo críticos demais?
Porque se você é muito crítico, você está pronto para produzir conflito.
Outra coisa que podemos considerar: você é muito negativo?
Você olha para as coisas com uma atitude de pessimismo?
Terceiro: você é muito sensível?
Qualquer coisa te ofende, qualquer coisa te abate?
Não seja muito crítico, não seja muito negativo, não seja muito sensível.
Avalie, questione, pergunte.
E como podemos fazer isso?
Medite em passagens como Filipenses 4:2 a 9; busque pensar à luz do que Jesus nos tem oferecido.
Se for difícil resolver um conflito com determinada pessoa, busque um conselheiro, um mediador, uma pessoa espiritualmente madura, uma pessoa que tenha condições de ajudar a ambos.
E, o texto de Filipenses nos encoraja a orar, então ore com gratidão e coloque tudo no
altar de Deus.

O que o firmamento nos revela

“A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma” (Salmo 19:7a).

Nos tempos de Davi havia adoradores do sol.
Nos centros politeísticos, o sol era tratado como um deus da justiça.
Neste salmo, o Senhor Deus é o criador dos céus, o que obviamente inclui o sol, ele é o doador da lei, e aquele que efetivamente estabelece a justiça.
Nos versículos 7 a 9, Davi descreve a eficácia da Lei do Senhor assim como o sol é eficaz em sua função. Veja o v. 6 nos diz que até mesmo um cego poderia sentir o calor do sol, assim também é a palavra de Deus.
Davi nos diz:
a) Ela é perfeita: A Palavra é infalível. Eu já vi a palavra de muitas pessoas falhar, não ser cumprida; mas eu nunca vi isto acontecer com a palavra de Deus.
b) Restaura a alma: Infelizmente os jornais não falam muito sobre isto, mas milhares de pessoas estão sendo restauradas, gente sem esperança finalmente recebendo a vida restauradora que só Deus pode conceder.
c) Dá sabedoria. No v. 8 Davi nos fala da alegria que a palavra de Deus pode nos conceder e da iluminação espiritual que podemos receber através dela.
Finalmente Davi conclui com uma oração pedindo a Deus que o purifique vv.12-14.
Afinal, apenas conhecer em tese a palavra de Deus não fará grande diferença, é preciso que ela faça parte de nossas vidas.

Palavra em ação

“Então se levantou Saulo da terra, e, abrindo os olhos, nada podia ver. E, guiando-o pela mão, levaram-no para Damasco” (Atos 9:8).

O texto de Atos 9 nos fala do encontro de Saulo com o próprio Senhor Jesus.
Saulo era o homem que enxergava, mas não via.
Precisou ficar cego para passar a enxergar a grandeza de Jesus Cristo.
Não poucos hoje engajados em sua religiosidade, estão mais para membros do sinédrio do que para seguidores de Jesus.
Não feche os olhos para as oportunidades de glorificar a Jesus, vivendo na mesma atitude que Jesus teria.
Do perdão que Jesus ensinou.
No amor que Jesus ensinou.
Na graça que Jesus ensinou.
Vivermos diferentemente disso significa que estamos indo na direção oposta a Deus, na
direção contrária a Jesus.
Se não praticamos o que Jesus deseja que pratiquemos, podemos ser, na melhor das hipóteses, religiosos, mas ainda não somos Seus seguidores.
Talvez estejamos caminhando com tamanha veemência, talvez tenhamos memorizado tantos versículos da Bíblia, mas se não estamos dispostos a praticar a fé, a justiça, a misericórdia, estamos exatamente como os hipócritas dos dias de Jesus, perseguindo a causa do próprio Cristo.
Que possamos no dia de hoje nos deixar surpreender pela presença de Jesus e oferecermos perdão àqueles que precisam de perdão, oportunidade e graça àqueles que dela necessitam.

Velhos hábitos

“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno, e a avareza, que é a idolatria” (Colossenses 3:5).

Alguém já disse que antigos hábitos são difíceis de fazer morrer, às vezes damos um passo a mais pensamos: será que antigos hábitos podem morrer?
Chamamos estes comportamentos viciados de hábitos por uma boa razão, estão tão impregnados em nossas vidas que sequer precisamos considerar colocá-los em prática, eles simplesmente acontecem.
A verdade é que os hábitos são apenas o relexo do que realmente pensamos, não apenas o que fazemos.
Deus mostrou para Pedro que ele deveria anunciar o Evangelho à casa de Cornélio, mas Cornélio era um gentio.
Pedro rejeitara tantas vezes não judeus que isso era um hábito e ele lutou para se render à vontade de Deus.
Louvado seja Deus que concedeu vitória ao teimoso apóstolo dando-lhe a alegria de anunciar o Evangelho aos gentios até mesmo antes de Paulo.
Quais são os hábitos de sua vida que precisam ser vencidos?
Muitos desses chamados hábitos, na verdade, são pecados.
Talvez esteja preso a eles por tanto tempo que te parece impossível sobrepujá-los.
Lembre-se: o Deus de Pedro é o mesmo, ontem, hoje e para sempre e continua nos dando a força e a determinação necessária para vencermos, ou melhor, fazermos morrer hábitos antigos.

Cristo em nós

“O fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gálatas 5:22, 23).

É importante diferenciarmos fruto de obras.
Considere: uma máquina numa fábrica realiza a “obra” de tornar matéria-prima em produto, mas nenhuma máquina pode produzir um fruto, nem mesmo uma jabuticaba ou uma amora.
O fruto nasce da seiva vital, é resultado de vida.
Neste texto é o Espírito de Deus que produz este fruto (Gálatas 5:25).
Quando pensamos em obras, pensamos em mero esforço humano, em trabalho, dedicação; por outro lado, quando pensamos em fruto, pensamos na beleza do milagre da vida, que no silêncio da discrição desdobra-se e manifesta-se.
Biblicamente, o mero esforço humano produz obras, porém mortas (Hebreus 9:14), já o fruto
do Espírito carrega em si vida.
Assim como no mundo natural os frutos carregam semente para produzir ainda mais fruto, no mundo espiritual o fruto também produz vida (Gênesis 1:11).
Amor produz mais amor, alegria produz mais alegria, paz produz mais paz.
Ser cristão não é seguir uma série de regras; aliás, legalismo produz obras mortas, mas o relacionamento verdadeiro com Cristo produz vida.
O chamado de Deus para nossas vidas não é religião, é relacionamento!
Apenas quando nos envolvemos com Deus em profundo relacionamento é que veremos o fruto brotar em nossas vidas.

Pare e olhe

“E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando toda sorte de doenças e enfermidades” (Mateus 9:35).

Jesus era um homem que tinha os seus afazeres.
Segundo o texto de Mateus, Jesus percorria TODAS as cidades e aldeias, estava trabalhando e muito.
E Ele estava ensinando, pregando e curando toda sorte de doenças e enfermidades.
Um detalhe que quero chamar sua atenção encontra-se no v. 36: “Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas”.
Mesmo em meio a uma correria total, mesmo com todos os Seus afazeres, Jesus achava tempo para olhar para a multidão e não só olhava, mas também tinha compaixão.
Isso me leva a uma reflexão: Como está nossa vida?
Está muito corrida?
Temos tido tempo para olhar as pessoas que estão à nossa volta? Temos nos preocupado com as pessoas ao nosso redor?
Se é uma coisa que o ativismo tem feito é que as pessoas não tenham tempo de aproveitar a vida, aproveitar as oportunidades, curtir sua família, de sentar e ter momentos de comunhão, de dar atenção, de investir tempo com as pessoas.
Chega a ser tanta correria que às vezes não temos tempo para lembrar de Deus.
Não deixe que o ativismo, a correria do dia a dia te faça refém.
Aproveite o hoje, viva o hoje, pois você não sabe como será o amanhã.
Efésios 5:16 diz, “remindo e tempo, porquanto os dias são maus”.

Liberdade absoluta

“E andarei com largueza, pois me empenho pelos Teus preceitos” (Salmo 119:45).

A expressão “eu andarei com largueza” quer dizer, “eu desfrutarei de liberdade na minha vida”.
Aqueles que ocupam o seu tempo com a palavra de Deus, podem viver uma vida de liberdade.
O mundo talvez nos diga: “eu quero andar com liberdade e, por esta razão, eu quero destruir todos os mandamentos, eu não quero obedecer às palavras de Deus”.
Isto não é liberdade.
O que é liberdade?
Alguns podem pensar que liberdade é o privilégio de fazer qualquer coisa que se queira fazer.
Mas isto não é liberdade.
Liberdade é você não ser escravizado.
Liberdade é que nada controle os seus impulsos.
A verdadeira liberdade é deixar-se controlar pela vontade de Deus.
Mas, por que isso?
Se eu posso controlar os meus impulsos, mas não sou livre, por que eu ser controlado por Deus significa ser livre?
Por uma razão: Deus te ama profundamente.
As pessoas que te convidam a se opor à palavra de Deus não têm coragem de morrer em uma cruz em seu lugar.
Deus pode nos fazer livres se nós nos rendermos à Sua Palavra.
Você está disposto a se render à palavra de Deus?
Você está disposto a dizer: “Deus, eu me submeto a Ti, faça de mim conforme a Tua vontade”.
Se você tem esta disposição, você vai desfrutar de absoluta liberdade.