Servir

“E ele (José) fazia tudo quanto se devia fazer ali” (Gênesis 39:22).

José era uma pessoa que não escolhia tarefas, ele não via uma tarefa como sendo humilhante demais a ponto de que ele não pudesse executá-la.
Isso me faz lembrar de Eclesiastes 9:10, que diz: “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque no além, para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma”.
José era um tipo de homem que não escolhia serviço, ele fazia tudo quanto vinha às suas mãos para ser feito, ele era um verdadeiro servo de Deus servindo aos homens, e Deus o abençoava grandemente as obras das mãos de José.
José foi servo até mesmo na prisão enquanto esteve preso injustamente: “E mandou detê-los …, no cárcere onde José estava preso.
O comandante da guarda pô-los a cargo de José, para que os servisse; e por algum tempo estiveram na prisão” (Gênesis 40:3,4).
José está servindo outros prisioneiros, mas José é fiel, ele é fiel às suas funções; uma pessoa dedicada faz tudo o que lhe vem à mão.
Algumas pessoas se julgam importantes demais para cumprir pequenas tarefas, tarefas que consideram insignificantes.
Mas outros, são nobres o suficiente para se curvarem e prestarem ainda que pequenos serviços, sabendo que aquilo que fazem, não fazem apenas para homens, mas fazem para Deus.

 

Não ameis o mundo

“Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo” (1 João 2:15).

Imagine que você receba o convite para ir a um lugar maravilhoso em algum ponto distante.
Você tem duas opções para a viagem, voar num luxuoso avião (um Legacy da Embraer) onde terá entretenimento, alimentação rica e variada.
Do outro lado, sua opção é um navio de carga.
Você terá de dividir o quarto e tomar as refeições juntamente com toda a rústica tripulação.
Enquanto o Legacy teoricamente te levará à ilha paraíso em algumas horas, o navio cargueiro demorará semanas.
Mas há um detalhe importante: Deus aparece para você e avisa que o Legacy vai cair no oceano e não haverá sobreviventes.
Uma pergunta: Qual seria sua escolha?
O cargueiro ou o Legacy?
Eu sei que a resposta parece óbvia demais, porém milhares de pessoas estão embarcando num avião luxuoso, pensando que estão indo ao paraíso, mas na verdade estão voando para a ruína.
O mundo é este avião luxuoso que vai cair (1 João 2:17a).
Por que tantos embarcam nele?
Porque o mundo tem um departamento de propaganda extremamente eficaz.
Convence as pessoas de que o avião vai chegar na ilha paraíso, mas Deus está dizendo que o avião vai cair.
Mas aquele faz a vontade Deus permanece para sempre (1 João 2:17b).
Nós podemos estar viajando de cargueiro, sem muita propaganda, mas nós vamos chegar lá.

O maior presente

“Mas eu vos digo a verdade: Convém-vos que eu vá, porque se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei” (João 16:7).

No início do Evangelho de João, Jesus é descrito como Deus que se tornou carne.
Merecedor de toda adoração, Rei do Universo, Criador que se tornou humano.
Apesar de ter sido o Criador da raça humana,veio para morrer por ela.
Quando deixou esta terra, Jesus enviou o Espirito Santo Consolador para ficar em Seu lugar.
De todos os presentes que Deus tem dado à humanidade, não há um maior do que a presença do Espírito Santo.
Quando aceitamos Jesus como nosso Salvador, o Espírito Santo passa a residir em nossos corações.
Jesus enviou o Espírito Santo como uma “compensação” por Sua ausência, para executar as funções que Ele mesmo teria executado, se tivesse permanecido conosco.
Jesus precisava partir para que o Consolador viesse.
Se você, mesmo com muitos amigos e rodeado de pessoas, hoje está se sentindo só, lembre-se que Jesus nos deixou um Consolador, Ele pode te ajudar.
Se você se sente abandonado, traído na hora em que mais precisava, saiba que o Espírito Santo não te abandona.
Jesus quando esteve entre nós sentiu as mesmas coisas que sentimos.
Ele pagou o preço por nós, com Sua Vida e nos deixou o ESPIRITO SANTO CONSOLADOR!

Adoração autêntica

“Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Isaías 1:15).

Neste texto, encontramos uma exortação profética e muito séria quanto à adoração; Deus estava dizendo que não aceitaria a adoração de Israel naquela ocasião.
Deus está dizendo que havia traição, não havia disposição para a reconciliação entre o povo, mas mesmo assim, as orações se multiplicavam, mas Deus disse que não as ouviria.
Em Isaías 58:4 lemos: “Eis que jejuais para contendas e rixas e para ferirdes com punho iníquo; jejuando assim como hoje, não se fará ouvir a vossa voz no alto”.
Conheço pessoas que podem orar por horas a fio, podem abster-se de alimentação por dias consecutivos, mas não tem a capacidade de perdoar a um ofensor ou de buscar a reconciliação quando alguém é ofendido.
A estas pessoas nós temos aqui a exortação da palavra de Deus nos dizendo claramente que não receberá a oração delas porque para Deus tudo começa no coração, começa lá no fundo da alma, começa onde as pessoas não veem, mas Deus vê, porque Deus não se contenta apenas com atos exteriores com a representação de um papel, Deus busca autenticidade.
Por isso, reconciliação é o caminho mais excelente aos olhos de Deus.

Adoração com atos de justiça

“Quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Isaías 1:15).

Neste texto de Isaías capítulo 1, Deus repreende a maldade do povo e chega a dizer que Ele não aceitaria as suas orações.
Dificilmente nós imaginamos Deus rejeitando orações, mas é precisamente o que Ele diz no versículo 15: “multiplicais as vossas orações, não as ouço.
Deus não estava interessado na coreografia que essas pessoas estavam apresentando, Deus não estava interessado na capacidade artística que essas pessoas certamente possuíam.
Deus estava interessado em duas coisas fundamentais naqueles que tem um coração grato e que são adoradores de Deus.
A primeira é arrependimento, Deus espera que aquele que tem um coração grato seja alguém que se arrepende.
Segundo, Deus espera que aqueles que têm um coração grato e que são adoradores, busquem uma vida de santidade.
Para colocar em termos modernos, buscar uma vida de santidade, é buscar um estilo de vida diferenciado.
O cristão é alguém diferente.
Não simplesmente por causa do tipo de roupas que ele usa, ou pela maneira que ele mantém o seu cabelo; existem muitos outros elementos mais importantes do que estes.
O cristão deve ser alguém reconhecido por sua vida de santidade por causa dos seus atos de justiça.

Shalom, Paz.

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5:9).

Você é um pacificador?
Você tem a coragem de enfrentar os problemas e dificuldades para produzir a verdadeira paz?
Muitos casais estão tendo seus relacionamentos destruídos porque não têm a coragem para enfrentar a situação como deve ser enfrentada.
Não nos basta amar a paz, é preciso viver uma vida de pacificadores.
Você precisa ter uma atitude ativa na hora de enfrentar as mais diversas situações no processo de estabelecer a paz.
Às vezes é necessário trilhar um caminho de conflitos para que finalmente você possa desfrutar de paz.
A Versão Atualizada diz que os pacificadores serão chamados filhos de Deus.
O termo grego utilizado é rubi — Filho de Deus.
Frequentemente na língua hebraica quando se quer descrever alguém, ao invés de usar-se um adjetivo usa-se uma frase inteira.
Então muitas vezes o homem poderia ser chamado de filho da paz, ao invés de ser chamado de pacificador.
Nesta bem aventurança o texto nos diz que os pacificadores são mais do que felizes porque serão chamados filhos de Deus.
O que isso significa?
Significa que a bênção de ser um pacificador é porque você está fazendo o tipo de trabalho que Deus faz.
O pacificador é aquele que age como Deus agiria, está engajado no mesmo trabalho que Deus está.
E você, é um pacificador?


“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5:9).

Você é um pacificador?
Você tem a coragem de enfrentar os problemas e dificuldades para produzir a verdadeira paz?
Muitos casais estão tendo seus relacionamentos destruídos porque não têm a coragem para enfrentar a situação como deve ser enfrentada.
Não nos basta amar a paz, é preciso viver uma vida de pacificadores.
Você precisa ter uma atitude ativa na hora de enfrentar as mais diversas situações no processo de estabelecer a paz.
Às vezes é necessário trilhar um caminho de conflitos para que finalmente você possa desfrutar de paz.
A Versão Atualizada diz que os pacificadores serão chamados filhos de Deus.
O termo grego utilizado é rubi — Filho de Deus.
Frequentemente na língua hebraica quando se quer descrever alguém, ao invés de usar-se um adjetivo usa-se uma frase inteira.
Então muitas vezes o homem poderia ser chamado de filho da paz, ao invés de ser chamado de pacificador.
Nesta bem aventurança o texto nos diz que os pacificadores são mais do que felizes porque serão chamados filhos de Deus.
O que isso significa?
Significa que a bênção de ser um pacificador é porque você está fazendo o tipo de trabalho que Deus faz.
O pacificador é aquele que age como Deus agiria, está engajado no mesmo trabalho que Deus está.
E você, é um pacificador?

 

José, exemplo de fidelidade

“Pois quem faz injustiça receberá em troco a injustiça feita; e nisto não há acepção de pessoas” (Colossenses 3:25).

Lembro-me de quando fui procurado por um moço que me descreveu suas situações de imoralidade e quando começamos a conversar, ficou claro que ele mesmo estava se colocando nos caminhos da mulher adúltera, ele estava se rendendo como um cervo que corre em direção à armadilha, ele estava voando em direção ao laço, como a ave que voa em direção ao laço, sem saber que isto lhe custará a própria vida.
Mas José fez diferente, como podemos ver no texto da palavra de Deus.
José demonstra sua fidelidade para com o seu pai, mesmo em meio a irmãos infiéis.
José também demonstra fidelidade mesmo diante da infiel esposa do seu senhor.
Ele sofre uma falsa acusação e, por duas vezes, é jogado no cárcere.
José sofre as consequências da fidelidade, mas mesmo assim ele continua confiando em Deus.
Talvez pensemos que por sermos fiéis, nós imediatamente receberemos um prêmio; nem sempre é assim.
Mas lembre-se, o texto de Colossenses nos diz que Deus não faz acepção de pessoas e quem pratica a injustiça, receberá de Deus a disciplina, mas quem faz aquilo que é justo, receberá de Deus a recompensa.
José continuava a enfrentar as terríveis ondas de suas tribulações, mas ele tinha certeza de uma coisa: podia confiar em Deus.

Tempo: presente

“O homem é semelhante a um sopro; os seus dias são como a sombra que passa” (Salmos 144:4).

Benjamim Franklin fez a seguinte afirmação: “Você ama a vida? Então não desperdice tempo, pois é dessa matéria que ela é feita”.
A Bíblia tem muito a nos ensinar sobre o tempo, principalmente o fato de que o tempo é um recurso não renovável que devemos utilizar com sabedoria.
Noutras palavras, somos “mordomos” do tempo que Deus nos confiou.
Considere as três sugestões bíblicas de como você pode melhor aproveitar o tempo que Deus bondosamente te confiou.
Oração sobre o uso do tempo – “Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios” (Salmo 90:12).
Consideração sobre o tempo – “No entanto, não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo” (Tiago 4:14,15).
Utilização do tempo – “Portanto, vede diligentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, usando bem cada oportunidade, porquanto os dias são maus” (Efésios 5:15,16).
Que nesse novo ano seus dias sejam muito bem utilizados.

Vida interior

“Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória” (Colossenses 3:4).

Há meses venho observando uma árvore numa esquina perto da minha casa.
Houve uma época que pensei que ela era apenas um tronco já sem vida.
Não havia nenhuma folha e a casca era grossa e desvitalizada.
Para minha surpresa, algum tempo depois percebi o aparecimento de alguns brotos nos galhos secos e, depois de algum tempo, ela já tem muitas folhas e até proporciona uma sombrinha gostosa…
Imaginei como nossa vida é, em alguns momentos, semelhante a essa árvore.
Vivemos algumas experiências que magoam, entristecem, abatem e nos sentimos sem vida, desanimados, ‘secos’, sem nada a oferecer…
São, sem dúvida, experiências que gostaríamos de não vivenciar, mas inevitáveis na vivência humana.
Então, depois de algum tempo, milagrosamente, a vida que está dentro de nós, o Espírito Santo de Deus, nos capacita a produzir novas folhas, frutos e assim demonstrar vida novamente.
Por isso, se você está como a árvore no início da história, não desista!
Não desista porque Deus não desistiu de você!
Ele está usando as experiências para trabalhar em sua vida e você ainda vai produzir muito.
Se você está como a árvore no final da história, ofereça sua sombra aos outros, sirva aos outros com excelência.

Considere seu começo

“Confirmados pelo Senhor são os passos do homem em cujo caminho ele se deleita” (Salmos 37:23).

Você já deve ter ouvido a frase “comece considerando como será o fim”.
A Bíblia é repleta de exemplos de pessoas que tiveram começos extraordinários com finais mórbidos e desprezíveis.
Por outro lado, muitos exemplos são apresentados de pessoas que tiveram começos difíceis e até medíocres com finais espetaculares!
Por meio de recursos visuais Deus estimulou a Abrão a considerar como se daria o fim de sua jornada: olhe para o céu e veja as estrelas, contemple a infinidade de grãos de areia, pois assim será sua descendência.
Imagino que em momentos difíceis de sua vida essas imagens voltavam à mente de Abrão e lhe faziam considerar como o desfecho valeria a pena.
Nesse ano, quando for dar o primeiro passo em uma determinada direção não considere apenas esse passo como um ato isolado, mas considere para onde esse início de caminhada te levará.
E se o desfecho final te aproxima de Deus, te aproxima do que é digno e dos valores que valem a pena…
Então, caminhe.
Mas, se o cenário se mostra num melancólico e vergonhoso distanciamento de Deus, dê o passo em outra direção.