Como resolver problemas

“No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (João 16:33b).

A Polícia Militar do Estado de São Paulo tem em seus quadros a equipe GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais) em sua subdivisão com os especialistas em desarmamento de bombas.
Saber desarmar uma bomba é literalmente uma questão de vida ou morte.
Mas, você sabia que todos estamos no “negócio” de desarmar bombas?
Claro, não bombas literais, mas todos temos que lidar com as “bombas” de problemas que nos vêm ao encontro.
O apóstolo Paulo escreveu a maioria esmagadora de suas cartas para resolver problemas, e particularmente, em sua primeira carta a Timóteo apresenta vários princípios a fim de norteá-lo na perigosa arte de resolver problemas.
Os 5 princípios que encontramos na carta são os seguintes:
1. Identifique a raiz do problema e não os seus efeitos;
2. Ore! A oração é o primeiro passo para se lidar com um problema;
3. Planeje. Tenha um plano de ação para lidar com o problema;
4. Ação. Faça o que deve ser feito a respeito do problema.
5. Avalie. Mantenha o hábito de avaliar como você está se saindo em relação ao problema.
Lembre-se, todos sempre enfrentaremos problemas de alguma sorte, mas Deus está conosco para que criativamente possamos resolvê-los.
Não desanime diante dos problemas, pois eles vêm ao seu encontro para serem resolvidos e não temidos.

Efeito eterno

“… para conseguir igualmente entre vós algum fruto, como também entre os outros gentios” (Romanos 1:13).

Uma vida frutífera também tem a ver com compartilhar o evangelho de Cristo ao nosso próximo.
Veja o que diz o versículo a seguir: “E agora, irmãos, eu vos peço o seguinte (sabeis que a casa de Estéfanas são as primícias da Acaia e que se consagraram ao serviço dos santos)” (1 Coríntios 16:15).
Paulo está dizendo que estes foram os primeiros frutos que chegaram ali, aqueles que se chegaram ao evangelho através do testemunho apresentado por outros.
Aqui eu preciso fazer uma pergunta para você: “há quanto tempo você não tem compartilhado o evangelho com aqueles que ainda não ouviram falar de Jesus?”.
Sabe, nós temos perdido nosso zelo, nosso ardor…
Eu tenho uma preocupação muito grande com a área social; acredito que a igreja deva investir na área social, não podemos nos esquecer dos pobres, dos carentes.
A igreja não pode se esquecer disso, mas, por outro lado, a igreja não pode, em ordem de cumprir uma coisa, esquecer-se de outra.
Não importa quantos benefícios nós possamos produzir nessa terra, eles ficarão aqui.
Porém, levar uma pessoa a confiar em Jesus como único e suficiente salvador, abre os portões da eternidade e isso permanecerá para sempre.

Corações rasgados

“Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (Salmo 51:17).

Em Joel 1.2-4 vemos que o povo estava sofrendo quando uma praga de gafanhotos arrasou as terras e todas as plantações.
E o motivo desse sofrimento era o pecado.
Talvez você diga, mas eu não pequei.
Por que estou sofrendo?
A resposta é: isso acontece por causa do pecado, dos pecados ou do meu pecado.
Do pecado original – que aconteceu no Éden com Adão e Eva, como consequência disso temos uma natureza caída e também vivemos em um mundo caído.
Miséria, morte, enfermidades, dor, etc… (João 16:33).
Dos pecados – sofremos por causa do pecado dos outros.
Que pecado cometeu uma criança que foi abusada?
Nenhum, mas ela sofre o pecado do outro.
Assalto, traição, mentira…
Também sofremos pelo pecado dos outros.
Dos meus pecados – sofremos pelas consequências dos nossos próprios pecados.
E um deles é a indiferença em relação a Deus.
Dia após dia, vamos vivendo e nos esquecendo de dar valor para as bênçãos que Deus nos dá, nos lembramos frequentemente daquilo que não está dando certo e não nos importamos com o que deu certo.
Como vemos em Joel 2:13, é preciso rasgar o nosso coração, e não as nossas vestes.
Não basta sermos religiosos, nosso compromisso é sermos verdadeiros.
Rasgue seu coração hoje na presença de Deus e receba o socorro em meio à tribulação.

Verdade é vida

“Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10).

Paulo está respondendo aos seus oponentes, dizendo que a mensagem da graça não tinha o objetivo de agradar aos homens, mas de agradar a Deus; porque na mensagem da graça, Deus recebe todos os méritos, todos os louvores.
Então, primeiro, Paulo apresenta o fato de que ele quer agradar a Deus vivendo em harmonia com o evangelho autêntico,
com a fé autêntica, com a fé que não mata, a fé que é produto da graça e da ação de Deus.
Esta sua veracidade, a sua autenticidade se desdobra através de suas palavras, não há dissimulação, não há fingimento, ele condena aquilo que não é verdadeiro e ele exalta aquilo que está em harmonia com a revelação de Deus.
E Paulo explica que não apenas as suas palavras, mas também as suas ações estão em harmonia com a verdade de Deus.
Ele o diz: trago no corpo as marcas de Cristo.
Paulo sofreu e sofreu bastante por causa do evangelho e o que podemos aprender com isso é que mesmo quando temos que sofrer perdas por causa da verdade, a verdade sempre vale a pena, porque a fé autêntica comunica a vida, mas a fé que é uma falácia nos leva à morte.

Os Planos de Deus para nossas vidas

“Pois eu sei os planos que tenho para vós, diz o Senhor, planos de paz, e não de mal, para vos dar uma esperança e um futuro” (Jeremias 29:11).

Nós sabemos que Deus tem planos para nossas vidas, pois isto está bem claro em Sua Palavra.
Mas, como saber quais Seus planos?
Temos que ter intimidade com Deus para saber os Seus planos.
Como conseguir ‘intimidade com Deus?’.
Vários versículos nos ensinam a maneira de estarmos bem próximos de Deus.
A base para compreendermos a vontade de Deus é nosso relacionamento com Ele.
A Palavra do Senhor deve estar em nossos corações.
Ao lermos a Bíblia e mantermos comunhão com Deus, aprendemos a vontade Daquele que é perfeito, e, quanto mais O conhecermos, melhor entenderemos Sua Vontade.
Deus tinha um plano na vida de Maria, que ela o aceitou, porque tinha uma fé inabalável, uma obediência que a fez aceitar sem nenhum questionamento: “Eu sou a serva do Senhor cumpra-se em mim segundo a tua palavra” (Lucas 1:38a).
Temos conhecimento de muita gente perdida, sem saber que direção tomar, sentindo-se abandonada por Deus.
Essas pessoas não entendem o que Deus quer de suas vidas.
Deus quer que coloquemos Sua Palavra dentro de nosso coração, e que tenhamos certeza de que só por meio de Jesus vamos conhecer o Amor e o Plano de Deus para nossas vidas.

Não despreze a Deus

“Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados” (Efésios 4:1).

O profeta Malaquias nos apresenta uma definição bíblica de pecado: desprezar o nome de Deus (Malaquias 1:6).
Quando você observa a sociedade, quando você vê as propagandas na TV, quando você lê as revistas ou quando você vê os grandes outdoors, vai notar que em muitos deles está impresso o valor totalmente anticristão.
Está impresso em cada um desses lugares e nessa desordem social o reflexo de que nossa sociedade está de cabeça para baixo, está em completa desorganização porque tem desprezado o nome de Deus.
Eu e você também podemos desprezar o nome de Deus.
Esse é um grave erro que podemos cometer.
De fato, temos, muitas vezes, praticado bobagens em nossas vidas.
Eu tenho certeza de que se você fizer um balanço da sua vida, você vai ver que muitos erros foram cometidos, muitos
pecados foram cometidos, e em cada uma destas situações você desprezou o nome de Deus.
O que deveríamos fazer à luz disso?
Nós deveríamos correr em direção a Deus, reconhecer o nosso erro imediatamente, reconhecer como, onde e por que estamos desprezando o nome de Deus e deveríamos mudar totalmente a nossa atitude.
Nós deveríamos andar à altura da vocação a que fomos chamados.

Sob o controle de Deus.

“Ele lhes respondeu: Por que temeis, homens de pouca fé?” (Mateus 8:26a).

No poema de Annie Johson Flint encontramos uma bela descrição dos encontros e desencontros da vida.
“Num edifício fabril há rodas e engrenagens, há manivelas e polias, correias apertadas ou folgadas… Algumas giram velozmente e outras lentamente; algumas impulsionam para frente, outras puxam para trás (…) Todas as contradições, difíceis de entender, E a força que as segura, acelera e retarda, Que as faz parar e começar e as guia, é a mão do nosso Pai.”
Talvez grande parte do nosso stress na vida deva-se ao nosso desejo desenfreado de controlar tudo que está à nossa volta.
Mas, isso não passa de um desejo pecaminoso de tomarmos o lugar de Deus, um desejo mesquinho de independência de Deus.
A Bíblia diz na carta aos Hebreus 1:3 “O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas”.
Note “sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”.
Jesus é quem dá ordem ao universo e a tudo que está à nossa volta.
Assim, mesmo quando nos deparamos com contradições na vida, deixemos de lado o desejo de controlar e confiemos no controle de Deus.

Nem tudo está perdido

“O Senhor se lembra de nós e nos abençoará” (Salmo 115: 12a).

Lares desfeitos.
Famílias desintegradas.
Jovens nos vícios.
Crianças desnorteadas.
Movimentos estranhíssimos reivindicando direitos.
Assassinatos, suicídios, violência, relacionamentos amorosos condenados por Deus, corrupção, prostituição,pedofilia, etc., etc., etc…
O que está acontecendo?
Mal do século?
Mal dos tempos?
Sim, mal dos tempos sem Deus, quando é proibido falar de Deus nas escolas, quando é proibida a Bíblia em repartições públicas.
Quando as crianças crescem sem temor, amor, respeito a Deus.
Oração?
O que é isso?
Para que serve?
Será que tudo está perdido?
Não, nem tudo está perdido.
Nós, crentes em um Deus Verdadeiro, podemos amenizar o problema.
Como?
Sendo exemplos de cristãos com nossas atitudes e comportamento.
Atingindo os que estão à nossa volta com conceitos de moral e caráter dignos.
Levando as pessoas a acreditarem que existe um Deus que deve e tem que ser amado, respeitado, temido.
Cuidando para que nossas crianças tenham contato diário com esse Deus através de: orações, cultos domésticos, escola bíblica, boas leituras, bons programas de TV, Internet fiscalizada pelos pais, e, principalmente que vejam em nós exemplos de pessoas dignas que vivem pela salvação em Cristo.

Frutificai!

“Porque não quero, irmãos, que ignoreis que, muitas vezes, me propus ir ter convosco (no que tenho sido, até agora, impedido), para conseguir igualmente entre vós algum fruto, como também entre os outros gentios” (Romanos 1:13).

Se existe algo que o cristão deve ser é frutífero, ter uma vida ativa, ter uma vida que dê frutos.
Ter o caráter semelhante ao de Jesus, que traz elementos como, por exemplo bondade, o domínio próprio, amor, é um aspecto da vida frutífera.
Vamos falar a respeito de uma área da vida frutífera, e isto tem a ver com pessoas, isso tem a ver com nosso relacionamento com as outras pessoas, como vimos no versículo acima.
O que o apóstolo Paulo quer dizer aqui aos romanos, a respeito de ir ter com eles, de ter algum fruto entre eles?
O que ele tem em mente aqui?
Certamente, o que Paulo tem em mente nesta passagem é ganhar outras pessoas para Cristo, ou seja, aqueles que se tornam cristãos, aqueles que passam a crer em Jesus e rendem-se a Jesus através dos nossos testemunhos, estes são nossos frutos.
Então não apenas na área do trabalho, do conhecimento, mas também na área de evangelização, do compartilhar do evangelho podemos ser pessoas frutíferas ou pessoas inativas.
Escolhamos ser frutíferos!

Obedeça e seja abençoado

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” (João 14:23).

Guardar, obedecer a palavra de Jesus traz os benefícios da presença de Deus a lume.
Deus quer habitar com Seu povo, quer manifestar suas bênçãos sobre o Seu povo, mas isto não quer dizer que Ele não se importe com seu estilo de vida.
Qualquer pai sabe que uma das maneiras mais efetivas de se demonstrar amor por um filho é ensiná-lo bem, é orientá-lo, ensiná-lo a obedecer.
Obedeça e desfrute da bênção de Deus.
Deus quer que você siga Suas orientações não para o benefício d’Ele, mas para o seu próprio benefício.
Deus não é menos Deus quando eu desobedeço, em Deus isso não causa a menor diferença…
Mas em nossa vida isso faz uma grande diferença.
Deus expressa seu amor orientando-nos, Deus quer nossa obediência porque obediência traz bênção, desobediência traz desastre.
“Coloque o cinto de segurança porque a lei exige ou coloque o cinto de segurança porque eu te amo e não quero que o pior te aconteça”.
Deus estabelece limites e atividades não porque Ele precise.
Eu e você precisamos.
Então fortaleça suas mãos e vamos em frente!
Retome a dedicação às coisas de Deus.
Segui-lo vale a pena.
A bênção de Deus é subproduto da obediência.