Vinde a mim

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28).

Neste convite de Jesus também está presente a remoção da sentença do pecado, a graça e o perdão de Deus estão disponíveis agora através de Jesus.
Em Romanos 5:8 e 9, a palavra de Deus nos diz assim: “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira”.
Há perdão disponível em Cristo e muitas outras passagens afirmam isso, por exemplo, em 1 João 4:10 a palavra de Deus diz assim: “Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados”.
Efésios 1:7, a Bíblia nos diz: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça”.
Através do sangue de Jesus nós nos tornamos livres do pecado.
Veja, eu não sei exatamente como está a sua vida, eu não sei quais são as angústias que têm açoitado a sua alma, mas eu posso lhe garantir que se você disse ‘sim’ ao convite de Jesus você irá desfrutar deste descanso por Ele oferecido.
Jesus continua dizendo: “vinde a mim todos vós que estais cansados e eu vos aliviarei”.

Vencendo o Orgulho e Preconceito

“Ora, um homem chamado Jairo, chefe da sinagoga, chegou e prostrou-se aos pés de Jesus, rogando-lhe que entrasse em sua casa” (Lucas 8:41).

Jairo era o líder da Sinagoga, chefe da Sinagoga.
Provavelmente o homem mais respeitado de sua comunidade.
Próspero, intelectualmente preparado, um homem de bem.
Mas…
Faltava alguma coisa na vida de Jairo.
Para que ele recebesse tudo o que Deus tinha para lhe oferecer, ele precisava render-se a um Jovem Rabino, a um Jovem Pregador chamado Jesus Cristo.
Jairo tinha uma única filha que estava morrendo.
Foi procurar aquele Jovem, prostrou-se aos Seus Pés, rogando-Lhe que fosse até a sua casa.
Quando tentava convencer Jesus para ir ver sua filha, alguém lhe disse que ela morrera.
Jesus ouviu tudo e disse a Jairo: “Não temas; crê somente e ela será salva” (Lucas 8:50b).
Jesus entrou na casa de Jairo e pegando a mão da menina ordenou-lhe que se levantas-se.
Milagre!
A menina levantou e comeu. Seus pais se maravilharam.
Para desfrutarmos de tudo que Deus tem a nos oferecer, temos que nos prostrar aos pés de Jesus.
O preconceito e o orgulho nos afastam de Deus.
Algumas pessoas não têm comunhão com Deus, e, sendo assim, não conseguem enxergar seus próprios erros.
Jairo conseguiu vencer seu orgulho e seu preconceito e humilhou-se aos pés de Jesus.
Conseguiu seu milagre!

 

Conformados com Cristo

“Não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2).

Não há lugar neste mundo para nós e não há lugar em nós para este mundo, não podemos nos conformar com o pecado.
Estou me referindo não ao legalismo, mas àquilo que a Bíblia efetivamente chama de pecado, os pecados de desvios da sexualidade, pecados que maculam a vida conjugal, pecados de fornicação em que jovens que não são casados agem como se o fossem, pecados de tomar aquilo que não é nosso, pecados de abuso de violência doméstica, física, verbal, pecados…
O mundo está crucificado para mim e eu estou crucificado para o mundo.
Os cristãos, mesmo sendo já purificados, ainda precisam lançar fora o velho fermento, 1 Coríntios 5.7 : “Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós”.
Paulo os está exortando a viverem de forma coerente com a nova posição adquirida, ou seja, lançarem fora o velho fermento porque eles não eram mais a velha massa.
É exatamente isso que o cristão deve ter em mente: ele foi purificado, mas tem a responsabilidade de lançar fora o velho fermento.

Imutável e inabalável

“Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação” (Tiago 1:17).

Nossa sociedade é cercada de mudanças.
Algumas são boas, porém infelizmente algumas coisas boas mudam e se tornam ruins.
Nós temos uma garantia na palavra de Deus: Ele, Deus, não muda, ou seja, nada pode afetar nosso Deus.
Eu já encontrei amigos que mudaram sua maneira de ser e pensar e francamente alguns mudam tanto que tenho dificuldade até para me relacionar com eles, pois nunca sei o que pensam ou o que querem da vida.
Mas quando penso em Deus sei que estou pensando na inabalável Rocha Eterna!
Nada pode afetá-lo, o coração de Deus não pode ser alterado, e não importa o quanto este mundo vire de cabeça para baixo e as pessoas digam você deve aceitar isto ou aquilo, pois os tempos são outros, os tempos mudaram…
Deus não mudou!
Até mesmo o sol tem envelhecido; os cientistas temem o que possa acontecer; as pessoas temem os riscos de um congelamento global ou um distúrbio cataclísmico, e eu, bem continuo confiando naquele que não muda.
De fato a Bíblia disse que passariam os céus e a terra, mas Deus é aquele que tem imortalidade absoluta, seus dias não têm fim.

Para se chegar ao alvo…

“Ora, o Deus de toda a graça , que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar’ (1 Pedro 5:10).

Um maestro exige prática e mais prática de cada um de seus músicos.
O objetivo é apenas um: aperfeiçoar.
Logo, não deveríamos nos admirar que Deus também nos leve pelo caminho do aperfeiçoamento espiritual.
Observe o versículo acima: `O Deus de toda graça’.
Que título maravilhoso para Deus!
Isto quer dizer que Ele nos concede força suficiente para enfrentarmos qualquer circunstância.
Ou se você preferir, Deus nos concede força para o treinamento.
Nesta passagem também aprendemos o meio através do qual somos treinados, alguns chamariam de crise, outros chamariam de problemas, o apóstolo chama de “sofrimento”.
Este é o meio através do qual somos treinados.
O objetivo do treinamento também nos é apresentado:
a) aperfeiçoar: tornar-nos melhores.
b) firmar: raízes mais profundas, como uma árvore que aguenta as tempestades mais fortes.
c) fortificar: tornar-nos mais resistentes como um metal que suporta pressões mais intensas.
d) fundamentar: um alicerce melhor.
Nesses momentos de crise, problemas ou sofrimento aprendemos a ser mais dependentes de Deus e assim salmos mais fortes.

Cuide-se

“… glorificai, pois, a Deus no vosso corpo” (1 Corintios 6:20b).

Durante muitos anos ouvi a expressão “temos que salvar as almas”.
Em si mesma, não era uma expressão equivocada, pois ecoava o ardor e o desejo de compartilhar o evangelho com o maior número possível de pessoas.
No entanto, não podemos esquecer que ser cristão extrapola o conceito de apenas ter uma “experiência da alma”, na verdade a visão do Novo Testamento é que o evangelho deve permear todos os níveis da existência humana: seu espírito, sua alma e seu corpo.
Até mesmo o que comemos é usado como exemplo do tipo de vida que glorifica a Deus, considere as palavras de Paulo: “quer comais ou bebais, fazei tudo para a glória de Deus”.
Sim, nossa salvação se dá inicialmente nos níveis imateriais de nossa existência, espírito e alma, porém expressamos por meio do corpo.
Para que tudo te vá bem nesse ano considere também se seu estilo de vida alimentar glorifica a Deus.
Lembre-se que no Antigo Testamento o sábio de Provérbios chega a usar da seguinte figura de linguagem: “Coloque uma faca na garganta se és um homem glutão”.
Como amigo costumava de dizer quando nos reuníamos para refeições juntos, “Comei de tudo que colocarem na mesa, mas não comais tudo!”.
Recebamos nossos alimentos com ações de graças, mas comamos de modo a glorificarmos a Deus por meio do corpo.

Quem é Deus?

“Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4:41).

Os discípulos já haviam visto Jesus expulsando demônios, curando paralíticos, ensinando com uma maestria incomparável, mas neste momento, quando eles enfrentavam problemas pessoais, quando a crise era com eles e Deus se revela de maneira tão inigualável e poderosa, a pergunta é: ‘quem é este?’.
Percebam que é diante de uma nova crise que a perspectiva muda: ‘quem é Jesus?’.
Quando nós perguntamos ‘quem é Deus?’, isto muda por completo a nossa maneira de ver a vida, muda a maneira de enxergarmos os problemas, pois isto aponta para o fato de que, através das dificuldades da vida, Deus se revela a nós.
Você pode estudar a palavra de Deus e deve fazê-lo, mas se você apenas conhecer a Deus no campo da teoria, o seu conhecimento sobre Ele será apenas superficial.
Existe uma forma através da qual passamos a conhecer a Deus de forma mais próxima, quando Ele se revela de maneira prática em nossas vidas.
Quando isso acontece?
Quando as ondas se agigantam, quando os problemas crescem diante dos nossos olhos.
Nesse momento, de alguma forma, o nosso conhecimento diante de Deus se agiganta.
Isso pode ser mais efetivo que uma leitura, que conhecer grego e hebraico.
Precisamos reconhecer o que Deus pode nos ensinar através dos problemas.

Perseverança

“Sede meus imitadores, como também eu o sou de Cristo” (1 Corintios 11:1).

Jesus era enfático durante o Seu ministério quanto à Palavra do Pai, Ele estava disposto a ir até as últimas consequências por obediência à Palavra do Pai (João 17:7-8).
Os apóstolos foram obedientes até à morte.
A segunda geração apostólica que encontramos aqui representada por Paulo tem a mesma característica, ele estava disposto a ir até às últimas consequências para guardar a Palavra de Cristo.
Os tessalonicenses, por sua vez, estavam dispostos a enfrentar qualquer coisa para guardar a palavra recebida por intermédio do apóstolo (1 Tessalonicenses 1:6).
Nós também, como cristãos e representantes dessa geração, não podemos olhar para Deus em meio às tribulações e desistirmos de tudo, precisamos perseverar na palavra de Deus.
Não devemos olhar nossa relação com Deus como sendo meramente material e imediata.
Precisamos lembrar que o patrimônio interior que Deus nos dá não pode ser levado por outros a menos que o entreguemos.
A alegria do Espírito sempre estará presente quando entendermos que os valores espirituais estão acima dos materiais, e os valores eternos estão acima dos temporais e que o amanhã, com a graça de Deus, ainda pode ser melhor.
“Porque as (coisas) que se veem são temporais, enquanto as que se não veem são eternas” (2 Coríntios 4:18).

 

Vida que vale a pena

“…seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite” (Salmo 1:2).

Nunca me esquecerei do dia em que, se não fora a providência divina, teria me envolvido num terrível acidente com um trem.
Todos os dias a providência divina nos garante um pouco mais de tempo sobre esta terra.
Como estamos usando-o?
O salmista nos apresenta ótimas dicas para vivermos felizes.
Salmo 1:1,2 “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite”.
Este versículo nos fala de um processo negativo que pode ocorrer na vida de qualquer pessoa.
a) Andar no conselho dos ímpios.
b) Deter-se no caminho dos pecadores.
c) Assentar-se nas rodas dos escarnecedores.
Note como alguém pode descer os degraus até o ponto de ser paralisada por uma vida que não vale a pena.
Por outro lado, aquele que leva Deus a sério, bem como Sua Palavra, é o bem aventurado (mais do que feliz).
Assim, se você deseja uma vida de plena realização, siga a dica do salmista, não busque conselhos em fonte duvidosa.
Faça de Deus e de Sua Palavra a fonte do seu prazer.
Nunca desfrutaremos plenamente a vida até que vivamos em harmonia com seu divino autor

Olhando para o outro

“Tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós” (Mateus 7:12).

Se você quer que seu relacionamento conjugal melhore, você precisa responder às expectativas de seu cônjuge.
Pergunte-se a si mesmo: Quando foi a última vez que eu disse uma palavra de carinho ao meu cônjuge?
Quando foi a última vez que eu elogiei a comida saborosa que minha esposa preparou?
Quando foi a última vez que expressei meu apreço pela dedicação de meu marido?
Precisamos aprender a pensar com sensibilidade e a expressar o nosso amor.
Como alguém já disse: “Amor não expressado é amor desconhecido”.
O escritor Dr. Tony Campolo conta que quando é procurado para fazer um aconselhamento conjugal, desafia o casal com a pergunta: “Vocês estão dispostos a seguir a minha receita? Se fizerem isto, sentirão um profundo amor um pelo outro”.
Quando o casal aceita o desafio, invariavelmente a receita funciona.
Qual é a receita?
Durante um mês, cada cônjuge deve agir em relação ao outro como se estivesse apaixonado.
O Dr. Campolo explica que a razão do sucesso da receita é que os sentimentos das pessoas seguem o comportamento que elas adotam.
Nossos sentimentos são traiçoeiros e não podemos confiar neles, às vezes estão em alta, às vezes, em baixa.
O sentir depende de muitos fatores; o amar depende apenas de uma decisão.